ortomolecular

O que é tratamento ortomolecular?

Quando há a necessidade de uma intervenção cirúrgica para tratar uma patologia, muitas pessoas ficam com medo e resistentes em realizar o procedimento, não é verdade? Nesses casos, o tratamento ortomolecular pode ser uma boa alternativa. Você já ouviu falar nessa forma de tratamento? Neste post, entenderemos quais são as situações em que ele é indicado e como é realizado. Acompanhe!

O que saber sobre o tratamento ortomolecular?

O procedimento surgiu na década de 50, quando psiquiatras desenvolveram uma terapia à base de vitamina B3. Como os resultados foram positivos, outros tipos de vitaminas e minerais passaram a ser testados. Em dado momento, os testes começaram a ser feitos com biomoléculas — uma substância química formada por carbono, hidrogênio, nitrogênio e oxigênio. Nascia, então, a medicina ortomolecular. O princípio fundamental desse tipo de tratamento é a redução dos radicais livres que o corpo fabrica naturalmente durante a vida, uma vez que eles são responsáveis pelo desequilíbrio químico e pelo envelhecimento celular. Entre os principais causadores dos radicais livres estão o tabagismo, a poluição, o estresse, os maus hábitos alimentares, o excesso de esforço físico e a exposição a produtos químicos.

Para quais casos o tratamento ortomolecular é indicado?

A medicina ortomolecular não faz milagres e também não é uma opção de tratamento estético. Pelo contrário, ela deve ser levada a sério e sua aplicação depende da análise do histórico do paciente, do seu estilo de vida, entre outros fatores. Conheça algumas de suas indicações:
  • bronquite, rinite e asma: para combater a infecção respiratória, o organismo produz uma grande quantidade de radicais livres. A medicina ortomolecular atua na aplicação de antioxidantes para neutralizar esses radicais, aumentando a imunidade do corpo;
  • diabetes: o organismo do diabético é repleto de radicais livres. Assim, o tratamento ortomolecular é realizado para eliminar os metais tóxicos do organismo e repor os antioxidantes. Em alguns casos, o paciente deixa até de usar a insulina;
  • mal de Alzheimer e Parkinson: para esses casos, a medicina ortomolecular atua na prevenção, fornecendo ao organismo uma proteção extra contra as toxinas;
  • câncer: a terapia ortomolecular atua na complementação do tratamento oncológico e ajuda a reduzir os efeitos da quimioterapia e da radioterapia;
  • obesidade: nesses casos, a medicina ortomolecular busca promover a reeducação alimentar do paciente, a suplementação dos nutrientes que estão ausentes, redução da ansiedade e da compulsão por doces.

Qual é a proposta da terapia ortomolecular?

Por não ser um tratamento invasivo e nem agressivo ao paciente, muitas pessoas desejam ser submetidas à terapia ortomolecular. Por isso, é importante conhecer a proposta do tratamento. A medicina ortomolecular está baseada nos seguintes princípios:
  • identificação precoce da oxidação das células;
  • avaliação integral do paciente;
  • Desenvolvimento de hipóteses para verificar qual a relação dos exames com o estresse oxidativo;
  • considerar a influência que o ambiente exerce na saúde do paciente;
  • aplicação em todas as fases da vida — crianças, adolescentes, adultos, gestantes e idosos;
  • a saúde do paciente é tratada como um todo;
  • atendimento e tratamento individualizado.
Acredito que agora você entendeu o que é o tratamento ortomolecular. O importante é lembrar que essa abordagem não é milagrosa. Quer saber mais? Clique no banner!
Powered by Rock Convert

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

© Desenvolvido com pelo iMedicina. Todos os direitos reservados.